pé na estradaMarcela Falci

California - USA

pé na estradaMarcela Falci
California - USA

 Se você nunca foi pra California, então levanta dessa cadeira ou desliga esse smartphone e vai correndo pra lá! Mas antes, leia a minha experiência  aqui embaixo.

Apesar de ser o centro do mundo hoje em dia (todas as grandes empresas de tecnologia estão por lá) ainda mantém um certo clima de cidade do interior. E ainda por cima não faz muito frio. 

Dentro do estado você tem deserto, praia, montanhas, florestas e neve. Então tem passeio pra todos os gostos. E eu preparei um resumão pra quem quiser ir pra lá.

Venice, LA

Alugamos um conversível no aeroporto de Los Angeles e fomos direto pra Venice (ai meu Deus, que clichê um carro assim, mas vai por mim, é demais, você se sente no Barrados no Baile). Venice é tipo a disney dos amantes do movimento "farm to table (da fazenda para a mesa)+ feito a mão + hippie + sustentabilidade". A California é o berço do movimento hippie, então muito do que foi os anos 60/70 ainda está entranhado nos seus habitantes. Foi a viagem onde a gente melhor comeu, tudo muito fresco, saboroso e criativo. 

Venice fica nos arredores de Los Angeles, à beira mar. Ela tem esse nome por causa do fundador dessa região, o milionário do tabaco, Abbot Kinney, que construiu vários canais pelo bairro como em Veneza na Italia. Foi pensada para ser a disney da época, um lugar para fugir com a familia para se divertir, ir aos parques de diversão, passar um dia na praia...

Hoje, a avenida Abbot Kinney, é o coração de Venice, é onde estão vários restaurantes gostosos e lojinhas fofas. 

Nós nos hospedamos numa casinha que fica nas ruas estreitas do bairro, são ruas que não passam carro. Recomendo muito ficar hospedados numa dessas ruas. É uma tranquilidade só.
Nowita Place, Marco Place e Amoroso Place são os nomes dessas ruas.  

Ao lado de Venice fica Santa Monica. E você pode ir para lá andando pelo boardwalk que liga as duas regiões. É um passeio muitoooo agradável, muita gente fazendo yoga pelos gramados, andando de skate... A gente fez de bicicleta, mas dá pra ir andando também. 

Ao final do caminho você chega no Pier de Santa Monica. Lá é o final da rota 66, a famosa estrada que liga o lado leste ao oeste dos EUA. 

Lá tem também o Pacific Park, que é um parque de diversões, mas bem light, com brinquedos mais pra criança mesmo, mas é quase obrigatório dar uma volta de roda gigante e ver a praia lá de cima. É um passeio delicia pro final de tarde.

Restaurantes:
Superba - Incrivel para cafe da manhã, mas serve almoço e jantar também
Gjelina - Não percam!!!! Eu comprei até o livro. O ensopado de grão de bico era uma coisa de outro mundo
Primitivo - Pegue uma mesa no jardim na parte de trás do restaurante. Otimo para um brunch

Abbot Kinney Blvd: Pagina sobre o comercio e restaurantes da avenida


estrada entre LA e Yosemite 

Depois de 2 dias em Venice, caímos na estrada em direção ao lugar que mais queria ir na California, o Yosemite. 

A estrada mais rapida é a HWY 5 e depois pegar a saída para Fresno, mas a estrada mais cênica é a 14 que depois se transforma na 395. Você passa pelo deserto de Mojave e chega pela entrada leste do Yosemite que durante os períodos de neve fica fechada. Esse caminho é mais longo, tipo 3 horas a mais de estrada, mas vale muito a pena. Da uma olhada nas fotos.  

No meio do caminho a gente se deparou com essa cidade fantasma, Robber's Roost, mas que na verdade nunca foi uma cidade. É tipo uma cidade cenografica do velho oeste. É uma parada curiosa para tirar fotos e imaginar o que seria o velho oeste americano.


YOSEMITE

Já na entrada do parque você fica de queixo caído com a beleza do lugar. E como é super organizado para entrar. Você tem um comprovante de pagamento quando entra com seu carro que deve apresentar na saída. Assim eles conseguem ter um controle maior de quem entra e sai do parque. 

O parque é ENORME! É impossível visitar tudo numa vida só. Nós ficamos lá por 3 dias, eu achei pouco, porque eu adoro um matinho, mas o Lucas achou suficiente. Então se você quer só ver as principais atrações 3 dias de carro é bem suficiente. 

No quesito floresta, eu sou fã nº1 da mata atlântica, porque ela é mais exuberante, mas as sequoias acharam um lugar no meu coração. Elas são uma das maiores arvores do mundo. É impressionante, você se sente uma formiguinha perto de uma delas. Perto da mais antiga, A Grizzly Giant (estudiosas acham que ela tem 1800 anos) você não pode nem pisar perto, para não danificar as raízes. 

Aqui, como no Pará, você fica com vontade de virar hippie e abraçar uma arvore. 

O parque era o queridinho do fotografo Ansel Adams, que fez verdadeiras obras de artes em preto e branco das muitas vistas de lá. Graças ao trabalho dele o parque ficou mais conhecido e as pessoas se tornaram mais conscientes quanto à preservações de parques como o Yosemite. 

Eu recomendo muito ir de carro para lá, porque assim você tem liberdade de ir parando na beira da estrada para apreciar as infinitas vistas que aparecem a cada curva.  

Para os mais animados, tem muitas trilhas demarcadas para fazer a pé. Tem uma infra estrutura muito boa para acampar. Só cuidado com os ursos. É serio, tem muito por lá. Em todo lugar você ve placas explicando como proceder no caso de encontrar um urso na sua frente. Por isso é importante não sair andando a esmo por lá.

Nós nos hospedamos numa casa num condomínio dentro do próprio parque, o que não é muito comum, por se tratar de area preservada. Mas no Airbnb tem varias opções de casas. Vai por mim, é a melhor opção. Nós alugamos uma casa com churrasqueira, e jacuzzi. E acordávamos com o barulho do vento soprando nas sequoias. Eu ainda sonho que estou nessa casa. 

Eu achei a maneira mais cômoda de aproveitar o parque, até porque as opções de alimentação lá são bem limitadas e tudo é muito longe. Alugando um casa você pode fazer uma mega compra num supermercado fora do parque e cozinhar. A gente fez isso no WholeFoods (o melhor supermercado do universo) de LA. 

O parque tem alguns hotéis tipo 4 estrelas e alguns bem simpleszinhos também, pra quem não curte a vibe Airbnb. 

Tem gente que fica hospedado nas cidades fora do parque, mas eu achei meio longe ter que dirigir tipo 1 hora e meia todo dia para entrar no parque. 


 

Casa na arvore em Petaluma

OH MY GOD!

Esse foi o lugar que eu agradeci ao senhor que criou o Airbnb por me proporcionar essa experiência. 

Até hoje foi a hospedagem mais inusitada, fofa, ecofriendly, maravilhosa da minha vida. 

A casinha é toda linda por dentro, cheia de antiguidades, pois a cidade Petaluma é conhecida por ser cheia de brechós. 

Tem até banheiro!!! Mas só para as necessidades básicas, para tomar banho você tem que ir na casa principal do dono do terreno. 

Me arrependo até hoje de ter ficado só uma noite lá. 

E o cafe da manha preparado pelos donos é de chorar. French toasts quentinhas bem gordinhas. 

 

Lagunitas

É a cervejaria artesanal super buena onda que fica em Petaluma. 

Eles tem um patio interno onde você pode fazer um tasting dos muitos sabores das cervejas e as vezes tem shows. 

Se quiser, dá pra fazer um tour pela fabrica, mas nós preferimos beber mesmo. 

A Lagunitas é umas das maiores cervejarias artesanais dos EUA. 


SAN FRANCISCO

Tartine

Melhor padaria de todo universo. 

Me desculpem todos as padarias da França, mas a Tartine é o paraiso do gluten e das gordices. 

Eu ganhei de aniversario do Lucas o livro de panificação de lá, é um super processo mega artesanal sem fermento químico. É tudo natural, o tal do sourdough. Um dia me animo de fazer e posto o resultado aqui. 

The Record Store

Pros amantes do vinil, essa loja é tipo o Maracanã da musica. Tem muita coisa lá, dá pra passar o dia todo vendo os vinis antigos e novos. 

Chinatown


Big Sur

(texto ainda não finalizado)

Restaurante Nepenthe

O site é tosquinho, mas não julgue um livro pela capa. A vibe é delicinha e o bloodmary nem te conto. Eu fico sempre impressionada com a eficiência americana. O restaurante ficou lotado 100% do tempo que estivemos lá, mas tudo funcionou sem nenhum problema e ninguém esperou demais pra sentar. 

Game Over

No dia de Big Sur a gente dormiu San Luis Obispo, mas eu tava tão morta que não fotografei nada. É uma cidade universitária, alegre e cheia de mini restaurantes. É um ponto legal de descanso entre SanFran e LA se não quiser fazer tudo de uma vez. 

Essa é a nossa cara de frustração que a viagem acabou.